terça-feira, 28 de julho de 2015

Fonoaudiologia & Refluxo




A Doença do Refluxo Gastroesofágico pode acometer bebês, crianças e adultos.
E é provocada pelo relaxamento do esfíncter esofágico (um músculo localizado no final do esôfago, que se abre para a passagem do alimento, fechando a seguir, para evitar retorno do suco gástrico ou alimento).
Em bebês o Refluxo acontece por imaturidade do esfíncter:
O leite volta à boca porque a válvula não segura o leite. Isto
pode causar vômitos, irritabilidade, tosse, obstrução nasal e
até chiado no peito.
Nos jovens e adultos o Refluxo tende a ser consequência de
maus hábitos alimentares, e, fatores comportamentais como, consumo de café, bebidas alcoólicas, gordura, fumo, jejum por longos períodos, sedentarismo e ingestão de alimentos de modo acelerado.
Na gestação há um relaxamento dos músculos e a válvula entre o esôfago e o estômago fica aberta, facilitando o Refluxo e provocando azia.
Quando o Refluxo atinge a parte alta do esôfago pode haver
engasgos, rouquidão, pigarro e tosse crônica, pois o suco
gástrico agride a laringe e pregas vocais.
Há necessidade de procurar um profissional, inicialmente o gastroenterologista, pois a Doença do Refluxo Gastroesofágico pode gerar novas doenças graves, inclusive câncer.
O tratamento  proposto pelo medico consiste em mudanças de hábitos comportamentais,   alimentar, e medicação adequada.
Além disso, há o encaminhamento para a terapia fonoaudiológica, através da qual serão trabalhados aspectos do processo mastigatório, deglutição, respiração e voz, que sempre é afetada pela interferência da acidez do suco gástrico nas cordas vocais.
Se o tratamento não for efetivo, poderá haver indicação cirúrgica.

Elda C. Fernandes Engel CRF 1376/SP – Fonoaudióloga
http://www.clinicapsicossoma.com.br/index.php

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Dietas pobres em carboidratos



As dietas pobres em carboidratos estão cada vez mais populares e atualmente possuem vários nomes como por exemplo Dieta Dukan etc. Você deve conhecer alguém que já testou alguma dessas dietas que reduz a quantidade de carboidratos. Mas a pergunta que fazemos é: ela realmente funciona? Quais são, em longo prazo, as consequências dessas dietas pobres em carboidratos na nossa saúde?
O conceito por trás das dietas pobres em carboidratos é que os carboidratos contidos nos alimentos estimulam a produção de insulina, o hormônio que ajuda no transporte da glicose até as células, onde é usada como energia. A glicose não utilizada pelo organismo é armazenada sob a forma de gordura. Então substituindo os alimentos ricos em carboidratos por alimentos ricos em proteína, que ao contrário dos carboidratos não causam o mesmo aumento dos níveis de insulina, promoveria o uso da gordura armazenada como energia, resultando na perda de peso.
Porém engana-se quem pensa que essa é a melhor solução para emagrecer. A ausência desse carboidrato faz com que o corpo utilize as proteínas como fontes de energia e um pequeno percentual de gordura, o que pode aumentar o risco da pessoa desenvolver doenças cardiovasculares e diabetes. Essa dieta somente com proteínas pode favorecer a perda rápida de peso de forma enganosa, pois pode utilizar a proteína muscular diminuindo percentual de massa magra, pesa-se menos, porém não significa ter perdido gordura corporal adequadamente causando, em longo prazo a recuperação ou aumento desse peso anterior.
Além da perda massa muscular a pessoa pode ganhar flacidez e aumentar o percentual de gordura corporal, tornando-se o que chamamos em termos comuns falsos magros. Esse tipo de dieta também pode causar problemas na pele, capilar, estomacais e até intestinais. Os carboidratos também são fontes de fibras a falta delas pode prejudicar o funcionamento intestinal dos indivíduos causando prisões de ventre ou ressecamento.
É importante também saber que após o organismo utilizar a gordura do corpo para obter energia, substâncias chamadas cetonas são liberadas na corrente sanguínea, que exigem maior ingestão de líquidos para serem eliminadas pelos rins. O fígado começa a trabalhar mais por sentir falta de glicose. Todo esse processo induz a perda de peso rápida, o que não tem haver com percentual de gordura. E esse acúmulo de cetonas do sangue não é um estado normal do corpo podendo resultar em náuseas, desidratação, tontura, cansaço e mau hálito.
 Com isso quem sonha em perder alguns quilinhos e ficar com o corpo em forma deve ficar atento à alimentação: não adianta apenas cortar os carboidratos do prato. Para emagrecer é preciso se alimentar bem e em toda a dieta devemos ter carboidratos, proteínas, frutas, verduras e legumes. Por isso para realizar uma dieta correta sem perigos a sua saúde procure um profissional especializado na área da nutrição para te auxiliar.

Por: Dra. Karoline Garcia Bezerra de Carvalho – Nutricionista CRN: 41367/P

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Nutrição & Cirurgia Plástica



A cirurgia plástica tem um papel fundamental na auto estima, seja no âmbito de benfeitoria estética ou reparadora. A nutrição tem o papel relevante na recuperação do paciente. Quando o organismo se submete a uma cirurgia ocorre reação de resposta metabólica, hormonal e imunológica que objetivam manter fluxo sanguíneo, oxigênio e energia para a cicatrização do corpo.

domingo, 19 de julho de 2015

Avaliação Nutricional & Estética



Os alimentos podem ajudar quem tem problemas com acne. Um dos fatores mais importantes é evitar o consumo excessivo de alimentos ricos em gorduras e açúcares. Beber bastante água.
Ter uma alimentação saudável e balanceada influencia bastante no surgimento ou mesmo no tratamento da acne. Por isso quem sofre com esse problema a reeducação alimentar é essencial.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Lipoaspiração & Nutrição



Avaliação e acompanhamento Nutricional

No pós operatório da lipoaspiração o paciente pode sentir dor e, é comum aparecerem hematomas e inchaço na área operada e, embora o resultado seja quase imediato, é ao fim de 1 mês que a área lipoaspirada tem o aspecto real. A Lipoaspiração só é eficaz com alimentação saudável e exercícios.
A alimentação no pós operatório deve ser leve, à base de caldo, sopa, saladas, frutas, legumes, verduras e carnes magras grelhadas. Além disso, é fundamental beber bastante água para ajudar a drenar o líquido em excesso. Se não se alimentar corretamente e se exercitar, a pessoa voltará a engordar.